24 de nov de 2011

Um mês longe de casa!

Hoje é Thanksgiving e estava eu aqui tranquila na cozinha, passeando pelo Facebook e Twitter, enquanto a host family prepara tudo para o jantar. Já lavei toda a roupa das crianças e também já ajudei com o banho.

De repente me dei conta de que o tempo passou, ao ver posts Facebook das meninas que viajaram comigo. Todas comemorando um mês de USA!

Eu só completo um mês de USA amanhã porque tive problemas na minha conexão e passei um dia em Lima, Peru. Porém, hoje completo um mês fora de casa, de qualquer forma!

E o que aconteceu neste tempo? O que mudou? O que eu aprendi? Do que eu sinto falta?

Morar aqui sempre foi algo que eu quis muito. Eu já tinha em mente que não seria fácil e já vim preparada para as dificuldades. Só que as dificuldades ainda não aconteceram!

Eu tenho aqui uma host family maravilhosa! Minha host mom é super correta e segue todas as instruções do programa à risca. Se preocupa em dividir as 45 horas semanais certinhas, para que eu não trabalhe a mais. Mesmo assim, há semanas que trabalho algumas horas a menos, então quando ela me pede um favor, eu faço e não acho que ela esteja abusando.

Outro ponto muito legal é que ela se preocupa em fazer com que eu participe da rotina deles. Me convida para jantar, para sair com eles, mas sempre me dá a escolha de aceitar ou não, e nunca fica chateada se eu digo que prefiro ir a outro lugar ou ficar em casa.

Com menos de um mês aqui ela já confia em mim para usar o carro no meu tempo livre. Já fui a DC de noite e tudo o que ela me pediu foi para que eu lhe enviasse um SMS avisando quando chegasse lá e quando saísse de lá, para ela ter noção de quanto tempo eu levaria dirigindo e ela saber se estava tudo bem.

No final de semana passado fui para Boston e ela também teve o mesmo cuidado, ou até mais. No início da semana ela foi comigo até o aeroporto só para eu aprender o caminho e ver como funcionava o estacionamento, porque eu iria deixar o carro lá enquanto estivesse fora.

Muitas au pairs reclamam quando os hosts querem saber onde vão, com quem vão, se vão demorar etc. Eu venho de uma família cuidadosa, com pais que sempre fizeram questão de conhecer meus amigos e saber o que eu estava fazendo, portanto eu adoro esse cuidado que a minha host tem quando não estou trabalhando.

Costumo dizer que aqui é assim: quando estou trabalhando, ela é realmente minha chefe e faz todo o cronograma das atividades que tenho para fazer, apesar de eu administrar o meu tempo, mas quando estou de off, ela é bem mãezona e se preocupa em saber se estou bem, se quero usar o carro, se quero ficar com eles ou se tenho outros planos, coisas assim.

Isso não é porque ela é chata ou controladora. Acontece que agora ela é responsável por mim aqui. Se algo acontece comigo, imaginem o tamanho do problema que ela terá para resolver! Então, é bom mesmo saber de tudo o que está acontecendo. Eu faria o mesmo.

Quanto a mim, não tive realmente muita dificuldade em me adaptar. Experimento e gosto da maioria das comidas que eles fazem, já faço minhas comprar no mercado (a host compra para mim as comidas do dia-a-dia, e eu compro os "extras", como refrigerante), me viro com o idioma quando vou a algum lugar.

A única coisa aqui que eu ainda não me adaptei, ou ainda não criei uma rotina para mim, é com o fato de que eles não almoçam. Eles tomam café ao acordar e depois só sentam à mesa, e cozinham de verdade, no jantar. O almoço é sempre algo rápido, como um sanduíche ou um café. As crianças levam lanche para a escola, porque saem depois do meio dia - e cada um em um horário diferente - e por isso não precisam de almoço. Um dia ou outro eu cozinhei almoço para mim, mas ainda é estranho não ter um horário para isso.

Quanto às comprar e ao dinheiro, eu ainda estou naquela fase em que preciso de tudo! De pinça de sobrancelha a casaco de inverno! Já comprei algumas coisas básicas, mas ainda preciso de roupas para trabalhar - quero moletons - e sapatos "para sair" - estou só com tênis e uma bota.

Ainda não tenho muitos amigos e não sai de balada. Eu sempre fui bem caseira e no Brasil costumava sair muito sozinha. Aqui, por enquanto, não está sendo diferente. Como tenho o carro à minha disposição, não dependo da disponibilidade das outras au pairs para sair, e por isso acabo andando sozinha. Vou ao shopping, ao mercado, já fui em um show, e planejo um cinema para o próximo final de semana.

Mesmo ainda não tendo muitas amizades, procuro sempre conversar com duas meninas que estão mais próximas. Ainda não conseguimos sair juntas, mas já fizemos um playdate, em que as crianças ficam brincando enquanto as au pairs podem ficar juntas conversando.

Todo mês também tem o Au Pair Meeting, que é uma reunião cujo objetivo é fazer com que au pairs se conheçam e possam surgir amizades. O primeiro em que estive presente foi na Fire Station, ou Corpo de Bombeiros, e conheci algumas meninas. O próximo será Madame Tussauds, famoso museu de cera, em DC. Talvez as brasileiras não estejam presente, mas eu vou mesmo assim. Indo sozinha será uma ótima oportunidade para me enturmar com o pessoal dos outros países.

Quanto ao idioma, tanto a minha host quanto a mãe dela já me disserM que meu Inglês é realmente bom. Minha host até sugeriu que eu faça a prova para o TOEFL sem fazer curso antes, e use a bolsa de $500 para estudar algo diferente, e até relacionado à minha área.

Já tenho minha Social Security e minha conta bancária. Ainda neste mês providenciaremos a minha Driver License e também escolherei o curso que quero fazer, pois as aulas começam em janeiro.

Enfim, meu primeiro mês aqui foi muito bom! Não tenho motivos para reclamar, só para agradecer! ;)

14 de nov de 2011

3 Doors Down - Time Of My Life Tour

Então ontem foi o último show da banda 3 Doors Down, da turnê Time Of My Life, e eu fui!

Antes de sair do Brasil, eu já sabia que este show aconteceria em Washington DC, no Constitution Hall. Aliás, antes de a minha host family fechar o match comigo, eu já estava de olho no show! rs

Eu chegaria na casa da minha host family no dia 28 de Outubro e o show aconteceria dia 13 de Novembro, ou seja, nem um mês depois de eu já estar com eles. Por conta disso, não fiz muitos planos. Sabia que iria morar a 25 minutos de DC, mas não fazia ideia de quanto tempo eu levaria para poder usar o carro sozinha.

A minha sorte é que minha host é muito mente aberta, super liberal. Conversamos muito sobre qualquer coisa, então senti que poderia pedir a ela, pois logo na primeira semana ela já deixou o carro sob a minha responsabilidade.

Outro dia estávamos no carro e começou a tocar Kryptonite. Foi a deixa para eu contar para ela sobre o show! Eu disse que adorava a banda e que eles iriam tocar em DC. Antes mesmo de eu pedir, ela disse que eu poderia ir, porque seria em um domingo - dia de folga - e eu não chegaria tarde.

Os dias passaram e eu deixei um pouco de lado, porque tinha ainda receio de dirigir até DC. Porém, no sábado passado, véspera do show, comentei com ela e seu namorado sobre e perguntei se era muito difícil chegar lá. Eles me deixaram tranquila quando me mostraram o mapa e me disseram que em, no máximo, 30 minutos eu conseguiria chegar.

Comprei o ticket no sábado à noite - o namorado da minha host me ajudou e pegamos um lugar foda: 5 fileiras de distância do palco - e programei meu domingo. Minha host e o namorado prepararam um mapa com as direções mais simples para chegar lá, além de deixarem também salvo no GPS. Ah, e ela também pediu para que eu mandasse SMS quando chegasse lá, quando saísse e quando chegasse em casa. Eu admiro a preocupação dela!

Lá fui eu com a cara e a coragem para DC, dirogindo sozinha! Fui ouvindo 3 Doors Down para aquecer, misturado com a voz da senhorita que habita o GPS e dita as direções.

Muito fácil chegar lá, apesar de ter que usar a rodovia para isso. No Brasil eu ficava apavorada quando caia no Anel Viário, e nunca peguei pista de verdade. Aqui, eu não tenho medo, e não sei explicar o porquê. Mentira, eu sei: se eu não fizer por mim, quem fará?

Mas chega de bla bla bla! O importante é que cheguei sã e salva em DC, e depois em casa. Agora é hora de falar do show!

Quando cheguei, fui buscar meu ticket no guichê onde são entregues os que foram comprados pela internet. Só precisei mostrar o comprovante e meu passaporte, e em minutos já estava em mãos e esperando na fila para entrar.

O legal neste lugar é que os lugares a venda eram realmente cadeiras, como em um teatro. Claro que o pessoal ficou em pé, mas cada um em frente à sua cadeira e sem empurra-empurra. A melhor coisa é ter cadeira numerada. Você pode chegar atrasado, mas se comprou um bom lugar, ele estará lá e vago. Mas não basta ter organização, as pessoas precisam respeitar o espaço do próximo, e aqui eles o fazem.

Cheguei em cima da hora (estava marcado para as 7pm), então logo que entrei a banda de abertura já começou a tocar. Quando encontrei meu assento, me dei conta do quão perto do palco eu estava! No palco, estava a banda Pop Evil, que de pop não tem nada! Eles fazem um som puxado para o metal. Não é o estilo que eu gosto, mas tenho que concordar que os caras são bons! Se entendi dizerem direito, eles são novos e era a primeira vez tocando em DC.

Pop Evil
Terminado o show deles, pouco mais de meia hora, foi a vez de arrumarem o palco para Theory of a Deadman entrar! Corri para comer algo, e voltei faltando poucos minutos para começarem. As luzes já estavam apagadas!

Theory of a Deadman
Theory of a Deadman no palco, e eu fui ao delírio! Era difícil acreditar que eu estava vendo, ali na minha frente, uma das minhas bandas favoritas! Os caras são canadenses e fazem um som ótimo! Eu nunca imaginei que pudesse vê-los um dia. E o Tyler, vocalista, estava tão gato quanto nos clipes! HAHAHA

Tyler. Why so handsome? :D
Não me lembro ao certo de todas as múscas, mas eles tocaram tanto do disco mais novo quanto dos antigos. Tocaram minha amada Meant To Be, a linda All Or Nothing, fizeram um sing along com Hate My Life, e finalizaram com Bad Girlfriend, outra música que me leva ao delírio! rs

O show deve ter levado por volta de uma hora, não lembro ao certo. Perdi totalmente a noção do tempo! Só me recordo que cheguei em casa por volta da meia noite.

Mais uma pausa, e era hora de deixar o palco pronto para 3 Doors Down fechar a noite! Sai rapidinho para ver o que tinha para conprar, e voltei com folga para esperar o show.

O palco estava lindo! Um telão ao fundo reproduzia imagens ligadas às músicas e também imagens da banda durante o show. Foi perfeito!

3 Doors Down

3 Doors Down, a banda patriota, terminou sua turnê em Washington, DC. Este foi o último show da turnê e eu pude estar presente. Impossível descrever tudo o que senti, a cada música.

3 Doors Down

Novamente, não lembro todas as músicas, mas ele tocaram tanto as do disco novo, Time of my Life, quanto dos demais. Tocaram as saudosas Away From The Sun e Loser. Chorei cantando Here Without You. Me diverti com Kryptonite e me acabei com When I'm Gone, com a qual eles encerraram o show. Aliás, esta últina sendo tocada com a bandeira dos EUA no telão, ao fundo, foi emocionante!

Cada música, cada palavra. Tudo aquilo parecia inacreditável! Jamais imaginei que um dia os veria, e tão perto! E é claro que eu corri para comprar a camiseta da turnê, assim que o show terminou!

3 Doors Down fechando o show com When I'm Gone.

Ter ido sozinha foi a melhor coisa, sinceramente. Curti cada música comigo mesma. Cantei, dancei, fotografei, gritei, chorei. Eu estava bem comigo mesma, estava tendo ali o meu, só meu, momento. Fiz jus ao nome da turnê! rs

Deste domingo ficou uma lição: irei a todos os shows que eu tiver a oportunidade! :D

4 de nov de 2011

Primeira semana e a adaptação

Passado o final de semana, já na casa da família, é hora de trabalhar!

Esta semana não fiz um schedule muito fixo. Fomos organizando no dia anterior. Apesar da correria, foi tudo bem! Eu não lembro ao certo a ordem em que tudo aconteceu, mas vou tentar descrever aqui de qualquer forma.

Na segunda só levei o pequeno para a escola. As meninas vão mais cedo, e a host levou. Já de cara ela me deu a chave do carro, mas foi comigo, me dizendo as direções.

Levamos o pequeno e fomos ao supermercado. Lá ela fez as compras da semana e também comprou algumas coisas que gosto.

De tarde buscamos cada criança em um horário e no final da tarde saimos para pedir doces (trick or treat), afinal, era Halloween! Andamos muito, muito mesmo!

Na terça, acordei um pouco mais cedo e fomos levar as meninas e o pequeno. A host foi junto, me dizendo as direções. Aliás, ela fala durante o caminho todo! Quer contar tudo, mostrar tudo, uma confusão!

Depois fomos na Bed, Bath and Beyond, uma loja que vende tudo de cama, mesa e banho. Comprei algumad coisas para o meu quarto e uma chapinha que não gostei e vou devolver. Almoçamos em um lugar que serve comida judaica e dividimos dois lanches, para experimentar. Aliás, fazia 25 anos que minha host não comia carne vermelha!

Ainda na terça, fui buscar a molecada sozinha! Na verdade, a host foi me seguindo com o carro dela, nas na hora de voltar ela foi por outro caminho, porque tinha compromisso, e aí peguei o caminho da roça confiando no GPS. Para ir da casa até a escola foi tudo bem, mas para voltar... Me perdi e fui parar na estrada! O bom de ter GPS é que ele calcula a rota de qualquer ponto, mas errar uma rua não é nada legal de qualquer forma!

Na quarta, a host ainda foi junto levar a molecada. Depois demos entrada na minha Social Security, fomos na Target fazer compras e almoçamos no Chipotle. Depois buscamos todo mundo e, no final da tarde, a host levou as crianças para a casa do pai.

Ainda na quarta, tive au pair meeting de noite. A coordenadora veio me buscar e fomos para o prédio do corpo de bombeiros. Lá conheci outras au pairs e assistimos a uma palestra sobre prevenção de acidentes domésticos. Aliás fica aqui um comentário off-topic: bombeiros americanos não têm graça nenhuma, prefiro os brasileiros! lol

Na quinta-feira já fui levar e buscar toda a molecada sozinha, sem a host me seguindo. No intervalo em que as crianças estavam na estudando, fui para o shopping, e é claro que fiz mais compras! Depois de buscar todos, fui para um parque con outras au pairs, onde ficamos conversando enquanto a criançada se matava de correr!

Finalmente na sexta, o foi menos corrido! Levei só o pequeno para a escola, depois fiquei em casa até o horário de ir buscá-lo. A host buscou as meninas, e no fim da tarde levei os três para a casa do pai.

Tudo aqui é muito diferente. Eles só jantam todos juntos, sentados à mesa. O restante das refeições é feito todo na corrida, na loucura.

Tenho me acostumado com as ruas e o carro aos poucos. Farei ainda um post sobre como é dirigir aqui, mas já adianto que é fácil e é tudo muito bem sinalizado.

Quanto à família, eu tento participar de tudo o que sou chamada. Tento não fugir muito dos costumes deles, afinal eu é que sou uma estranha aqui.

Eu e minha host conversamos muito. Ela também tem se sentido mais à vontade para me contar algumad coisas da vida dela, e também para me perguntar sobre a minha.

O bom do schedule maluco de levar as crianças para a casa do pai, é que eu posso ter un calendário do ano todo já sabendo quando serão minhas folgas e posso me organizar, planejar algo.

Neste primeiro final de semana de folga aproveitarei para abastecer o carro sozinha - ela foi comigo um dia da semana - e também para andar pelo shopping com mais calma.

O único inconveniente desta semana foi a TPM que bateu forte hoje, sexta-feira, mas foi só respirar fundo e me ocupar com um jantar e ficou tudo bem!

A primeira semana passou voando! ;)